Repensando a arquitetura do Rio de Janeiro

Click here for Rethinking Rio architecture

“Se você fechar os olhos e fingir que não tem montanha e mar, é uma tragédia.”

— Lauro Cavalcanti, diretor do Paço Imperial e arquiteto, no Globo de 29 de janeiro de 2011

A seção Segundo Caderno do jornal O Globo publicou no último sábado uma matéria de capa (que não está disponível on-line) na qual os arquitetos mais importantes do Rio de Janeiro afirmam que nenhum acontecimento importante na área tem ocorrido na cidade desde pelo menos os anos 1950. Isso pode estar prestes a mudar.

“Na situação hipotética da visita de um amigo estrangeiro ao Rio, quais construções arquitetônicas representativas da cidade indicar?”, o texto pergunta, citando a seguir o Palácio Gustavo Capanema, o Museu de Arte Moderna, o Edifício Biarritz, a Cinelândia e a Praça XV. Todos datam de antes de 1960.

Os arquitetos entrevistados na matéria fazem as seguintes constatações:

  • Não existe debate no Rio de Janeiro sobre o que é belo;
  • Nos anos 1980 e 1990, o Brasil “se descolou de um debate internacional”, perdendo contato com o pensamento arquitetônico mundial;
  • O Rio de Janeiro priorizou o mecânico e as máquinas, a despeito do pensamento humano;
  • O governo municipal tem um papel importante a desempenhar;
  • Os arquitetos precisam se organizar, e as faculdades de arquitetura devem ajudar no desenvolvimento de um novo pensamento sobre a cidade.

Não foi por acaso que o belo tenha perdido primazia nos anos 1980 e 1990, pois o perigo levou os cariocas a se refugiarem dentro de casa e nos seus próprios bairros. Alguns colégios até deixaram de levar os alunos para conhecer a cidade, por causa dos perigos de sequestro, balas perdidas e assaltos. Com as UPPs, isso começou a mudar desde o fim de 2008; na semana passada, o governador Sérgio Cabral declarou que a próxima UPP, a 14a da cidade, será instalada na favela do Morro de São Carlos, na zona norte. A Polícia Civil e o BOPE já estão ocupando a área, o passo preparativo para a instalação de uma UPP.

A cidade dispõe de grande potencial arquitetônico, diz o presidente da seção carioca do Instituto de Arquitetos Brasileiros (IAB), Sérgio Magalhães. De acordo com ele, isso provém da multiplicidade de espaços urbanos, onde as diferenças se encontram, enriquecendo a cultura. Junto com o governo municipal, o IAB organizou no ano passado um concurso inédito para selecionar 40 projetos para ajudar na integração das favelas cariocas com a cidade formal, o programa Morar Carioca. No dia 28 de janeiro, houve uma cerimônia de diplomação dos escritórios selecionados, que começam a trabalhar em março e irão focar na urbanização de 216 das mais de mil favelas cariocas, em áreas perto de instalações olímpicas. De acordo com O Globo, essa segunda fase do Morar Carioca irá beneficiar 312 mil pessoas.

“Esses projetos são a primeira contribuição arquitetônica contemporânea nacional à arquitetura mundial”, Magalhães disse ao Globo. Aqui estão os projetos selecionados.

Outro concurso organizado pelo IAB está em andamento para o programa Porto Olímpico, a fim de selecionar o melhor projeto arquitetônico e de urbanismo para as instalações olímpicas e seu entorno, na área portuária do Rio. Estão contemplados as vilas de imprensa e de árbitros, um hotel e um centro de convenções.

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s