Foi bom para o Rio? Jogos Olímpicos

gg

Arte pública no recém inaugurado hotel, 55 Rio, na Lapa: parte de um retrofit revolucinário no centro da cidade

Não, sim e talvez

É cedo demais para dizer, é claro. Partes do legado olímpico, a mobilidade, nem estão prontas ou operando plenamente. Portanto, meu talvez.

Click here for English

Sua blogueira tem ouvido bastante a pergunta do título deste post e, apesar de ter lidado bastante com o assunto (fique à vontade para dar uma pesquisada, utilizando palavras-chave), a hora é boa para um resumo rápido.

Os Jogos Olímpicos coroam uma série de mega eventos aqui sediados desde 2012, com a intenção de colocar o Rio de Janeiro no mapa global. Os eventos mexeram com uma passividade antiga, a sensação de que não dava para melhorar a metrópole, assolada pela pobreza, a violência e a política tradicional — de territórios, favores e centros sociais. Aumentou a expectativa. Aqui reside meu sim.

Já escrevi que esse “branding“, objetivo dos mega eventos, não era necessário para nossa extraordinária metrópole. Teria sido mais útil olhar para dentro, diretamente aos nossos problemas, em vez de olhar para fora, para o nosso relacionamento com o resto do mundo.

O legado da mobilidade esquivou da desigualdade, semente de todos os problemas do Rio. Sim, há melhorias, as viagens são mais curtas. O legado, porém, centrou-se na Zona Oeste, onde fica o Parque Olímpico, contribuindo ao custoso espraiamento urbano, favorecendo empreiteiras e empreendimentos imobiliários direcionados às classes mais altas. Deixou a Zona Norte bastante carente de mobilidade, enquanto moradores da Zona Oeste ainda precisam atravessar grandes distâncias para chegar no trabalho.

Também permitiu que a cidade relegasse ao segundo plano a promessa de urbanizar todas as favelas até 2025 — o que, mesmo que a promessa tivesse sido até hoje parcialmente cumprida, teria sido uma façanha. A prefeitura também deixou de incluir a moradia no plano do Porto Maravilha, que teria encurtado muitas viagens trabalho-casa e contribuído à vitalidade da região.

A desigualdade criou e perpetua um sistema duplo aqui, pelo qual os brasileiros de renda maior dirigem carros, contam com planos de saúde, colocam os filhos em colégios particulares e empregam seguranças particulares — enquanto os brasileiros de renda menor utilizam transporte público, dependem do sistema público de saúde e escolar e arriscam a vida no meio dos tiroteios entre policiais e traficantes (por exemplo), atracados na Guerra às Drogas, uma guerra sem saída.

O sistema é tão enraizado que quem é daqui tem dificuldade em percebê-lo. O prefeito Eduardo Paes já falou, despreocupadamente, que tem a sorte de não ter que enviar os filhos para uma escola pública. Veja a localização da estação de BRT perto da Vila Olímpica, que deve se tornar um valorizado empreendimento imobiliário após os Jogos: é para as empregadas domésticas, seguranças e outros funcionários. Os moradores terão seus carros na garagem.

Não é exclusivamente um problema brasileiro, a desigualde– e é tão delicada e perigosa aqui como na Venezuela, o Reino Unido ou os Estados Unidos. Trata-se do contexto no qual os Jogos Olímpicos se inserem, e explica o motivo pelo qual parte de minha resposta é não. Tente só realizar uma transformação urbana, gerada por mega evento, no meio de uma democracia enviesada. Vai acabar por remover moradores de favela para “limpar” a vizinhança — sendo que, ironicamente, o charme do Rio vem justamente de nossa mistura de classes, raças e culturas.

Posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro | Tagged , | Leave a comment

Have the Olympics been good for Rio?

gg

Wall art at the just-opened 55 Rio hotel, in Lapa: part of a revolutionary downtown retrofit

No, yes, and maybe

Of course it’s too early to know. Parts of the Olympic transportation legacy aren’t even ready, or fully operating. Thus the maybe.

This blogger keeps getting asked the question in the post’s title and although previous posts have certainly addressed it (feel free to rummage around, using keywords), the time is ripe for a quick summing-up.

The Olympics crown a series of mega-events hosted here since 2012, meant to put Rio on the map. The events challenged decades-old passivity, a sense that not much could be done to improve the metropolis, assailed as it was by poverty, violence and old-fashioned fiefdom politics. Expectations rose. This is the yes part.

I’ve made the argument before that such “branding” by way of mega-events wasn’t necessary for this unusual metropolis. It would have been more useful to look inward– straight at our problems — rather than look outward, at Rio’s relationship with the rest of the world.

The transportation legacy sidestepped the inequality at the heart of Rio’s problems. Yes, there is improvement, commutes have shortened. But the legacy focused on the West Zone, where the Olympic Park is located, contributing to costly urban sprawl, favoring upscale real estate developers and construction companies. It left the working-class North Zone still transportation-needy, while low-income West Zone residents must still travel long distances to jobs.

It also allowed the city to back-burner a promise to upgrade all informal favela housing by 2025 — which, even partly completed by now, would have been an impressive feat. The city also failed to include housing in the port revitalization plan, which would have eased transportation demand and lent lasting vibrancy to the area.

Inequality led to, and is perpetuated by, a two-tier system here, where better-off Brazilians drive cars, use private healthcare, send their children to private schools and hire security guards — while less well-off Brazilians take public transportation, depend on public healthcare and schools, and risk their lives as police and drug traffickers shoot at each other (for example) in the dead-end War on Drugs.

The system is so entrenched that locals tend to be blind to it. Mayor Eduardo Paes has blithely said he’s lucky his children don’t have to attend public school. Look at the placement of the BRT (dedicated articulated bus lane) station close to the Olympic Village, which is meant to become an upscale residential development after the Games, and you’ll see it’s for the maids, guards and other service personnel, not residents. For these, there’s parking.

Inequality is by no means a uniquely Brazilian problem, and it’s just as tricky and dangerous here as in Venezuela, the UK or the United States. But it is what the Olympics dropped down into, and it explains why part of my answer is no. Try to effect mega-event-engendered urban transformation in the midst of a skewed democracy and what you end up doing is removing favela residents to “clean up” the neighborhood — when Rio’s mix of classes, races and cultures is a central facet of its attraction to begin with.

Posted in Brazil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro | Tagged , | 1 Comment

Clarity for Rio’s future, despite short funds and political uncertainty

gg

Lapa has seen big change

Despite everything — even sudden Olympic days off — lots of people are thinking about Rio de Janeiro’s future these days, exactly two months before municipal elections.

Clique aqui para português

Moving around the metropolis in recent weeks, this blogger noted three certainties that will attend the future, regardless of who is elected or how much the budget is:

1) Rio is and can be a better place. Obvious– but it wasn’t up to 2009, when we began a brief turnaround, after 40 years of decadence. There’s new life in the city. Complaints are heard about the Olympic legacy, transportation. We have yet to see the real impact of the Metro extension, 4 BRTs (dedicated articulated bus lanes), the VLT trams, the Joá elevated highway expansion, SuperVia train improvements, the bus rationalization, the elevated Perimetral demolition and the tunnels that replaced it.

Even for those who appreciate none of this or think it falls short, the idea itself of a turnaround is new in Rio. No more shrugging off problems.

2) Public policy, particularly in regard to transportation, environment and public safety, demand a metropolitan approach. No longer can officials turn their backs on responsibilities because they belong to another level of government. Leadership will be necessary, collaboration too. Society will pressure those who don’t get this. The new Câmara de Integração Metropolitana (Metropolitan Integration Chamber) created by order of the Supreme Court, will guide this new phase.

3) Public policies will have to be custom-made for each territory in the metropolis. Before, the complexity of neighborhoods and favelas were a barrier to public policymakers, strengthening the simplicity of welfarism.

Today, with more precise and useful data now available, the ability to crowdsource local information and the growing complexity and richness of social media, across-the-board public policies are no longer acceptable. In addition, highly-connected citizens, especially youth, are ever more likely to engage in dialogue with politicians and public servants.

In the last decade in Rio de Janeiro we’ve had joy and disappointment. Nothing was as easy as we thought it would be. Lucky for us, learning comes of experience, with lessons that can contribute to the greater good in coming years.

Posted in Brazil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro | Tagged , , , , , , | 3 Comments

Claridade para o futuro do Rio, apesar de recursos apertados e incerteza política

gg

Lapa, hoje com outra cara

Apesar de tudo — repentinos feriados olímpicos até — há muita gente pensando o futuro do Rio de Janeiro nestes dias, exatos dois meses antes das eleições municipais.

Ao circular pela metrópole nas últimas semanas, sua blogueira constatou três certezas que irão orientar o futuro, não importa quem seja eleito nem quanto será o orçamento:

1) O Rio é e pode ser um lugar melhor. Óbvio– mas não era, até 2009, quando começamos uma breve virada, após uns 40 anos de decadência. Há nova vida no centro da cidade. Ouve-se muitas reclamações sobre o legado olímpico, a mobilidade. Falta saber o real impacto, daqui a um tempo, da extensão do Metrô, 4 BRTs, o VLT , a duplicação do elevado do Joá, melhoras na SuperVia, a racionalização dos ônibus, a derrubada da Perimetral e os túneis que a substituiram.

Mesmo para quem não goste de nada disso ou não ache suficiente, a ideia de virada em si é nova no Rio. Acabou a acomodação.

2) As políticas públicas, sobretudo nas áreas de mobilidade, meio ambiente e segurança pública, precisam ter um enfoque metropolitano. Não dá mais se eximir de reponsabilidades por serem de outra esfera de governo. Será necessário a liderança, o trabalho em conjunto. A sociedade irá pressionar quem não entenda disso. A nova Câmara de Integração Metropolitana, criada a mando do Supremo Tribunal de Justiça, irá guiar essa nova etapa.

3) As políticas públicas terão que ser customizadas para cada terrítorio da metrópole. Antes, a complexidade de bairros e favelas era uma barreira para quem desenhasse políticas públicas, fortalecendo o a simplicidade do assistencialismo.

Hoje em dia, com a disponibilidade de dados oficiais mais confiáveis e úteis, com a capacidade de juntar informações vindas de fontes no local (crowdsourcing) e a crescente complexidade e riqueza de redes sociais, não é mais aceitável implementar políticas públicas uniformes. Além disso, os cidadãos, sobretudo os jovens, conectados entre si, são cada vez mais propensos a dialogar com políticos e servidores públicos.

Tivemos alegrias e decepções na última década, no Rio de Janeiro. Nada foi tão fácil como pensávamos que seria. Bom saber que a experiência traz aprendizagem — liçoes que possam contribuir para os anos vindouros.

Posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro | Tagged , , , , , | 4 Comments

Podcast – in English- on the “thin democracy” underlying Rio Olympics

 

Selfie

Your blogger, on a visit to the Metro extension construction site last year

Council of the Americas multimedia manager Luisa Leme recently interviewed your blogger, and here is the 18-minute result. You can hear about how the current situation in Rio fits into the national panorama. In other words, how we got to where we are, with some not-so-pessimistic light on the future.

While you listen, take a look at pictures from yesterday’s launch of the Agenda Rio 2017, presented to Rio mayoral and city council candidates, with a packed crowd at the Teatro Rival. The election is in October, on the heels of the Paralympic Games. To what degree will Rio work to reduce its social inequality, over the next four years?

gg

Impressive roundup of some of the city’s key activists and organizers, at the Teatro Rival

13775972_10153933223790787_2099133683800560309_n

Rede mayoral candidate, Alessandro Molon

ff

Jardim Gramacho community organizer

ddd

José Marcelo Zacchi, director of the Casa Fluminense, which put together the metropolitan Agenda Rio 2017. Candidates were asked to commit to it.

13781713_10153933088370787_8999341999922328580_n

PSDB mayoral candidate, Carlos Osório

ggg

PSOL mayoral candidate Marcelo Freixo, with his vice-mayoral candidate, Luciana Boiteux

 

 

 

Posted in Brazil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro | Tagged , , , , , | 11 Comments

The promise of data: will it contribute to metro Rio?

Mapa de Instagram, num dia em Barcelona: os dados revelam nossas preferências

Map of Instagram posts in Barcelona: the data quickly reveal what we prefer

What if the city had asked bus passengers to download an app so it could keep tabs on their commutes for a short period of time? That way, we might have gotten a more realistic bus rationalization scheme, instead of the problematic one we have now.

Clique aqui para português

The technology already exists to collect such data; but the policy, as well as the politics for it, have yet to come together. (According to a blog source who worked on the bus rationalization, it was based on data collected by researchers riding buses, counting how many people got on and off at each stop. There was no data collection regarding entire trips, from start to finish. It could be that incomplete data partially accounts for the fact that so many passengers now complain about service.)

A conversation with Willy Müller, a Barcelona-based Argentine architect, prompts the imagination. How about using a map of Instagram posts to think about the flow of tourists, and how best to meet their wants and needs? Or mapping food sources and transportation routes to determine real costs, and then encourage urban agriculture?

A Rio Branco, hoje, sem carros: a desprogramação das cidades

Rio Branco Avenue today, with a line of passengers waiting for a quiet tram, instead of noisy cars and buses: “deprogramming” cities

“Why doesn’t the city create its own Uber?” Müller asks in an interview with RioRealblog, recalling the disputes arising over the transportation service that relies on the growing use of smartphones.

Such ideas are the product of two new features of our era, says the Barcelona Urban Sciences Lab director and co-founder of the Institute of Advanced Architecture in Catalunya (IAAC): velocity and preferences. Smartphones quickly allow us to tally the choices of a large number of people. We must act fast, he says, to create and implement public policy. We need to plan in anticipation of events. For example, Müller points out, we know the planet is heating up and the oceans are rising. What’s Rio de Janeiro doing about it?

He urges us to “deprogram” cities, changing infrastructure so cities can transform.

Müller, who helped plan our Porto Maravilha port revitalization, spoke Wednesday to the 110 councilors of the new Consultative Council of the Modelar a Metrópole (Modeling the Metropolis) process. Made up of representatives from public institutions, civil society, concessions, businesses and trade associations, the Council is part of a long and complex process of listening and reflection (by way of twelve workshops), to come up with a strategic plan for the Rio metro region.

Spearheading this process is the Quanta-Lerner consortium, which won a bid put out by the newly-constituted Câmara de Integração Metropolitana (Metropolitan Integration Chamber). The Rio state legislature has yet to vote on the bill to officially create the Chamber.

Other speakers at Wednesday’s meeting included the Chamber’s executive director, Vicente Loureiro, urbanist Jaime Lerner and the Plan’s technical coordinator, Alexandre Weber.

This new data abundance speeds up urban life but doesn’t mean automatic bliss, Müller notes. Smart cities can both repress and liberate citizens.

People, not technology, are responsible for public policy — in metro Rio, just as elsewhere. Asked how technology can contribute to politics, especially in a context of corruption and social inequality, Müller brought onto his computer screen the famous photo of a protesting crowd at the Puerta del Sol square in Madrid, in 2011. “It was organized using social media,” he answered. “In a matter of hours.”

Posted in Brasil, Porto Rio de Janeiro, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro | Tagged , , , , , , , , , | Leave a comment

Dados: futuro promissor para o Rio metropolitano?

Mapa de Instagram, num dia em Barcelona: os dados revelam nossas preferências

Mapa de posts no Instagram, em Barcelona: os dados, com rapidez, revelam nossas preferências

Já pensou, se a prefeitura tivesse pedido aos passageiros de ônibus que baixassem um aplicativo que acompanhasse, integralmente, suas viagens durante um certo período? Talvez assim, teríamos uma racionalização de ônibus mais realista.

A tecnologia para juntar dados desta forma existe; a política, nos dois sentidos da palavra, ainda não. (De acordo com uma fonte do blog que trabalhou com a parte logística da racionalização, ela se baseou em dados coletados por pesquisadores que andaram nos ônibus, contando quantas pessoas subiam e desciam em cada ponto. Não houve coleta de dados sobre viagens inteiras, de começo ao fim. Talvez seja pela ausência de informação, em parte, que tantos passageiros hoje se queixam da falta de condução adequada.)

Uma conversa com Willy Müller, arquiteto argentino radicado em Barcelona, leva o interlocutor a sonhar. Que tal pensar no fluxo e no atendimento de turistas através de um mapa de seus posts no Instagram? Ou mapear a origem e trajetos de nossos alimentos, para avaliar o custo real deles, para então fomentar o cultivo urbano?

A Rio Branco, hoje, sem carros: a desprogramação das cidades

A Rio Branco, hoje, de VLT silencioso no lugar dos barulhentos carros e ônibus: “desprogramação” das cidades

“Por que a cidade não faz seu próprio Uber?” instiga Müller numa entrevista com o RioRealblog, ao lembrar das brigas surtidas por causa do serviço de transporte, que aproveita a crescente difusão dos smartphones.

Os sonhos são produto, diz o diretor do Barcelona Urban Sciences Lab e co-fundador do Institute of Advanced Architecture in Catalunya (IAAC, ou Instituto de Arquitetura Avançada na Catalunha), de duas novidades de nossa era: a velocidade e as preferências. Rapidamente, através dos smartphones, podemos saber quais são as opções de grande número de pessoas. Temos que agir com mais rapidez, diz ele, ao criar e implementar políticas públicas. Temos que planejar antecipando os fatos. Por exemplo, Müller sugere, já sabemos que a terra esquenta e os mares estão subindo. O que o Rio de Janeiro está fazendo, a respeito?

Temos que “desprogramar” as cidades, ele propõe, mudando a infraestrutura para que a cidade possa se transformar.

Müller, que já trabalhou no planejamento do Porto Maravilha, deu uma palestra ontem aos 110 conselheiros do novo Conselho Consultivo do Modelar a Metrópole. Composto por representantes de instituições públicas, da sociedade civil, concessionárias de serviços, empresários e associações de classe, o Conselho faz parte de um longo e complexo processo de escuta e reflexão (através de doze oficinas), que produz um plano estratégico para a região metropolitana do Rio.

Quem está levando esse processo adiante é o consórcio Quanta-Lerner, vencedor de uma licitação da recém constituída Câmara de Integração Metropolitana. O projeto de lei que oficialmente cria a Câmara está na assembleia legislativa estadual, ainda a ser votado.

Outros palestrantes na reunião de ontem incluiram o diretor-executivo da Câmara Metropolitana, Vicente Loureiro, o urbanista Jaime Lerner e o coordenador-técnico do Plano, Alexandre Weber.

A nova abundância de dados acelera o ritmo urbano, porém não traz a felicidade automática, Müller ressalta. Os smart cities podem reprimir, do mesmo jeito que libertam.

No contexto do Rio metropolitano, são as pessoas, e não a tecnologia em si, responsáveis por políticas públicas. Ao ser perguntado sobre como a tecnologia pode contribuir à política, sobretudo num contexto de corrupção e desigualdade social, Müller mostrou a famosa foto da multidão em protesto na praça Puerta del Sol, em Madri, em 2011. “Foi organizado por mídia social”, ele respondeu. “Em matéria de horas”.

Posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro | Tagged , , , , , , , , , | Leave a comment