Como se preparar, como se proteger? Linha-dura já chegando

Discursou um dos advogados do jovem morador do morro dos Prazeres, Willian Preciano, preso há dois meses. Vizinhos e familiares dizem policiais erraram na identificação

Quem mora ou tem amigos que moram em favelas do Rio de Janeiro sabe que esses sofrem violência cometida por traficantes de drogas, milicianos e policiais. Hoje, diante da perspectiva de comportamento linha-dura por parte de agentes formais e informais de segurança — mesmo que essa posição tenha apoio eleitoral expressiva em muitas favelas — já surgem preocupações sobre a mudança de ambiente nas cidades brasileiras.

Brian Winter, editor da revista norte americana Americas Quarterly, que acompanha as ideias e declarações de Jair Bolsonaro (inclusive em entrevistas exclusivas) há alguns anos, prevê num artigo recente “uma ofensiva mortífera nos próximos meses”. É essa a prioridade máxima do candidato do PSL, aponta, ou seja, “relaxar leis e normas para as forças de segurança, permitindo que atirem primeiro e façam perguntas depois (em níveis mais altos do que hoje, considerando que policiais já matam cinco mil pessoas por ano). O objetivo é intimidar ou matar traficantes de drogas, ladrões e outros criminosos – e assim reverter o crescimento inexorável do crime desde a volta da democracia ao Brasil, em 1985”.

A sociedade brasileira, diz Winter, está afim de pound some heads, ou bater em algumas cabeças, apesar de a maioria de especialistas em segurança pública advertir que tal abordagem é fadada ao fracasso, pois “a sociedade brasileira mudou desde os anos 1980 e já fracassou a militarização da segurança em lugares como o México e a América Central, além do próprio Rio de Janeiro, desde fevereiro deste ano”.

Em vez de “bater cabeças”, dizem especialistas, diminuir a criminalidade depende de medidas sofisticadas, como capacitar, equipar, remunerar, controlar e administrar melhor as polícias; utilizar inteligência e informação de forma efetiva; integrar o judiciário e as penitenciárias como atores em políticas de segurança pública e aumentar o papel federal no controle e sustento desta questão chave da vida nacional.

Um presidente que liderasse tal abordagem estaria, como pretende o Bolsonaro, atendendo ao anseio forte da sociedade brasileira de poder viver e transitar em paz no país.

Discursou ontem Charles Siqueira, morador do morro dos Prazeres

Com uma política de segurança pública menos sofisticada, afirma Winter, será alto o preço humano. Inocentes irão morrer e serão sujeitos à tortura. Milicianos, diz, irão se aproveitar do ambiente para ajustar contas e intimidar inimigos. Teremos mais casos como o assassinato da Marielle.

Não-eleitores do PSL de Jair Bolsonaro, mulheres, jornalistas, não-brancos e não-heterossexuais já relatam ataques violentos em escala maior do que antes do primeiro turno. Jair Bolsonaro, ele mesmo vítima, diz não poder controlar seus seguidores. O site Mapa da Violência está recebendo e publicando os relatos.

Mesmo antes do surgimento da onda Bolsonaro, os direitos humanos, protegidos pela Constituição, sofriam investidas no Rio de Janeiro. Ontem à noite, moradores da favela do morro dos Prazeres fizeram um protesto para defender o jovem William Preciliano, que dizem ter sido preso indevidamente, há dois meses. Prisões errôneas já aconteceram duas vezes antes no morro.

Durante o protesto, sua blogueira perguntou a defensores de direitos humanos presentes sobre estratégias para o que promete ser uma nova era PSL. Alguns, no aguardo do resultado do segundo turno das eleições, duvidam que o Rio de fato seja governado a base da ideologia do partido do Bolsonaro. Outros confiam no poder continuado da denúncia.

Claro que as instituições governamentais e as organizações de terceiro setor que trabalham nessa área não irão desistir de defender os membros mais fracos da sociedade. Mesmo que o PSL domine, a partir de 2019, a assembleia legislativa estadual, tivemos a eleição de cinco mulheres negras ao parlamento, que devem lutar, junto com alguns colegas, pelos direitos daqueles que podem sofrer os efeitos colaterais da esperada política de segurança pública linha-dura. A imprensa, que começou a cobrir de maneira mais completa os territórios urbanos informais a partir de 2008, com a pacificação, também terá um papel importante nos embates e debates que nos aguardam.

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to Como se preparar, como se proteger? Linha-dura já chegando

  1. Charles Siqueira says:

    Muito boa exposição da conjuntura atual brasileira, Julie!

  2. Charles Siqueira says:

    Assim que passar a eleição, as raivas e tristezas, teremos que reorganizar o pensamento e a prática progressista para reconquistar pessoas que perdemos também por inabilidade política.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.