A morte do Gambá começa a se esclarecer

Jovens de favela passam por individuação

É quase um fenômeno geológico. As contradições violentas da cidade longamente partida chegam à superfície, à medida que o Rio de Janeiro se integra. Temos que lidar com elas– e suas consequências.

Gualter Damasceno Rocha, o Gambá, morava na favela Manguinhos, e dançava o passinho, uma forma de street dance. Tinha um estilo próprio, utilizando movimentos tidos como femininos. Quando o escritor Julio Ludemir organizou a Batalha do Passinho em setembro passado, no Sesc da Tijuca, Gambá ficou em terceiro lugar. Mesmo assim, foi ali que ficou famoso; desde então gravou uma participação no programa Esquenta! de Regina Casé, e dançou com Preta Gil.

A Batalha legitimou essa manifestação cultural que vem do morro, levando-a para o asfalto. Deu visibilidade a centenas de jovens que tradicionalmente ficam à margem. Eles mesmos, ao utilizar as ferramentas de mídia social, postando vídeos no YouTube, contribuíram à revelação.

Porém, de acordo com Ludemir, nem todos sabem lidar com a força pessoal que provém de tais novidades socio-culturais. Ele, que viu o boletim de ocorrência da morte do jovem de 21 anos, diz que o mais provável é Gambá tenha sido morto por seguranças de um posto de gasolina. O posto fica perto da favela onde o Gambá havia comemorado o Reveillon, num baile que terminou às sete da manhã.

“O B.O. menciona um desentendimento com Neide, uma balconista,” diz ele. “O corpo foi encontrado nos fundos do posto.”

Como era o costume entre os meninos, Gambá foi à loja de conveniência do posto depois do baile, para o café da manhã. Ludemir supõe que o desentendimento tenha levado a “um corretivo” que deu muito errado. Pois o B.O. diz também que o jovem morreu de um espancamento — e não de um tiro, como já foi noticiado.

Uma outra versão da morte é que um traficante teria matado o Gambá por ter dançado com a esposa dele.  Mas Ludemir supõe que um traficante teria sumido com o corpo, e que, sabendo quem era o Gambá, nem teria se atrevido a matar uma “celebridade da favela”.

Seguranças ou policiais (que muitas vezes são as mesmas pessoas), ele acrescenta, escondem documentos e providenciam um enterro às pressas.

Gambá foi enterrado como indigente cinco dias após a morte no dia primeiro de janeiro. O vídeo da câmera do posto não apareceu na mídia ainda.

Domingo às 14 horas, haverá o flashmob “o passinho da paz” no Arpoador, em homenagem ao jovem.

No mais, aguardamos a investigação policial.

Clique aqui para ver o programa Esquenta de Regina Casé, do dia 15 de janeiro 2012, dedicado ao Gambá.

Clique aqui para ler matéria do Globo sobre o passinho, que fala do Gambá e a falta de solução do caso.

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to A morte do Gambá começa a se esclarecer

  1. fd says:

    gamba era pra vc ir com o seu irmao porque vc fes mau criacao meu jovem meu manor gambaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s