Carnaval 2016: mais tolerância, mais reflexão

Apesar de orçamentos reduzidos e de o mosquito da Zika, tanto o carnaval de rua como os desfiles, neste ano, deram bem certo.

12728927_10153530497865787_1513460744968110802_n

Uma floresta de latas de lixo, mais do que necessárias

Ontem à noite, porém, houve uma batalha assustadora (sem vítimas, aparentemente) entre policiais e moradores, em Inhaúma, perto do Complexo do Alemão. De acordo com moradores, alguns policiais tentaram atropelá-los e deram tiros de fúzil para cima.

Click here, for Carnival 2016: more tolerance, more reflection

Cariocas e fluminenses fizeram de tudo, nos últimos dias, para esquecer seus problemas — ou, pelo menos rir deles. Enquanto alguns foliões usaram máscaras com os rostos do deputado federal Eduardo Cunha (accusado de corrupção) e o “japonês da Federal” (que costuma prender os acusados de crimes de colarinho branco, da Lava Jato), a escola de samba Mocidade de Padre Miguel escolheu o tema de Dom Quixote para cantar e dançar o escândalo do Lava Jato, com plataformas de petróleo, ratos, malas de dinheiro e sambistas sem cabeça, uma das quais vestia um blazer vermelho, fazendo referência à presidente Dilma Rousseff.

Em alguns blocos, folionas se fantasiaram de “as mulheres de Pedro Paulo”, manchando um olho de roxo, para lembrar o candidato sucessor do atual prefeito, Eduardo Paes. A ex mulher de seu coordenador de governo, Pedro Paulo Carvalho, o acusou de ter batido nela duas vezes — e depois, apoiou a candidatura dele.

O carnaval de rua, como sempre, focou parcialmente na Zona Sul, sobretudo Ipanema. Enquanto os foliões deixaram bastante limpos a praia e calçadão de Copacabana, o lar da bossa nova levou a pior dos blocos e dos ambulantes que acampam nas ruas e na praia. As áreas principais dos festejos estão cobertas em areia e fedem a urina.

12715785_10153530388655787_8783885070362055933_n

Ambulantes e suas famílias acamparam na praia de Ipanema por quase uma semana

Packing up, on Ash Wednesday

Na quarta-feira de cinzas, ambulantes fazem as malas

Não está claro por que a prefeitura, que não tem problema nenhum em mandar sua Guarda Municipal para atuar nos casos de ambulantes no centro da cidade ou de moradores de favela a serem removidos, fecha os olhos no caso dos ambulantes que acampam nas praias. Será que é porque quem os organiza é a Dream Factory, empresa de eventos que pertence ao Roberto Medina, que faz a Rock in Rio? Ou porque vendem cerveja e refrigerantes fabricados pela Ambev, patrocinadora do carnaval?

Pela primeira vez, jovens brasileiras falaram abertamente sobre um aspecto tradicional da carnaval de rua: assédio sexual. Em posts no Facebook, desabafaram sobre o desconforto e até fizeram acusações sobre comportamentos que até então eram aceitos, na única época do ano quando todo mundo tem o “direito” de desprezar as normas e agir de forma irresponsável. Ao mesmo tempo, casais LBGT pareciam andar sem preocupação nas ruas do Rio, onde as tradicionais regras sociais parecem estar se afrouxando.

fff

Que tal um pouco de design thinking para esse posto da Polícia Militar que, em noites mesmo fora da época de carnaval, atraem quem precisa de um banheiro?

E agora começa o ano de 2016 que, como a prefeitura nos avisa em placas por toda parte, é um ano que veio “para ficar”, seja o que isso quer dizer.

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro, Uncategorized and tagged . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s