Uma nova aliança para mudar o Rio: Casa Fluminense

José Marcelo Zacchi

José Marcelo Zacchi, diretor executivo da Casa Fluminense: ainda falta uma ideia de um Rio plenamente integrado

Click here, for A new alliance for change in Rio: Casa Fluminense

Moradores de Santa Cruz e líderes de importantes movimentos cariocas por mudanças sociais se reuniram, no sábado passado, na ponta mais a oeste da cidade, para inaugurar o novo think-and-do-tank, a  Casa Fluminense. Para iniciar o trabalho ambicioso da Casa, a pesquisadora do IETS, Valéria Pero, mostrou mapas da desigualdade na região metropolitana; moradores prestaram depoimento em vídeo, e ao vivo, sobre a carência de serviços públicos na região; e os participantes do evento expressaram ideias e sonhos para o ano de 2017.

Eliana Sousa Silva, diretora da Redes da Maré, e Valéria Pero, pesquisadora no IETS: curtindo uma tapioca no Matadouro Imperial de Santa Cruz, antes do evento de inauguração

Nos seis anos de mudanças no Rio, já se fez muito para melhorar a vida das pessoas. Talvez, o fato mais significativo seja a queda, em quase 50%, nos índices de homicídios, chegando aos atuais 24 por 100 mil habitantes. O aumento da segurança, aliado ao crescimento econômico, estimulou investimentos, tanto públicos quanto privados. Apesar dos preços exorbitantes, o turismo cresce.

Mas, como os mapas da desigualdade mostraram a todos, no sábado, houve pouco avanço, no sentido de combater vieses endêmicos, paradigmas de políticas públicas ultrapassadas e modelos de crescimento econômico tacanhos.

“O Rio corre o risco de se acomodar, de reproduzir a desigualdade que está em nosso DNA: da Casa Grande e Senzala,” disse José Marcelo Zacchi, diretor executivo da Casa. Zacchi destacou que a prefeitura já gastou dois bilhões de reais em reformas urbanas (Morar Carioca) até o ano de 2012 – e quase a metade desse montante, no mesmo período, para reformar o estádio do Maracanã (que por coincidência também foi inaugurado sábado, com a polícia jogando gás lacrimogêneo em manifestantes pacíficos, que estavam do lado de fora).

De Paula Martinica a Pedro Strozenberg: vamos colocar a tecnologia a serviço da participação

De Paula Martinica a Pedro Strozenberg: vamos colocar a tecnologia a serviço da participação

Os participantes apontaram que a empresa estatal de água e saneamento, CEDAE, abastece a cidade com água da Baixada Fluminense – e, enquanto o Leblon nunca fica sem água, a Baixada Fluminense frequentemente sofre com cortes. Os pontos de ônibus, ao longo da nova faixa exclusiva para ônibus, a BRT, ligando a Barra ao resto da Zona Oeste, perdem qualidade quanto mais a oeste o passageiro viaja – e alguns pontos de ônibus BRT nem ficaram prontos.

Líderes santacruzenses

Líderes santacruzenses

Uma tarefa importante para a Casa Fluminense é reunir e apresentar dados: monitorar governos. Os mapas da desigualdade apresentados no sábado ofereceram um panorama da região metropolitana do Rio, uma oportunidade de entendimento raramente ao alcance dos cidadãos. Enquanto as médias para o Grande Rio melhoraram, áreas chave continuam com índices baixos em educação, emprego e renda, dentre outros indicadores. O mais impressionante foi um gráfico mostrando que, enquanto a desigualdade de renda no país e na região sudeste caiu significativamente, conforme a medida do índice de Gini, a melhora no Rio ficou para trás.

Os economistas afirmam que isso se deve principalmente ao fato de que empregadores do setor de petróleo e gás, ao enfrentar carência de mão de obra, oferecem salários mais altos que acabam por distorcer o índice de Gini aqui. Porém, segundo Valéria Pero, o modelo de crescimento econômico estatal, focado no setor energético, deve ser repensado, para que o quadro possa ser diferente.

Aproximadamente 60 pessoas compareceram ao evento, mas a maioria não era de Santa Cruz. De acordo com aqueles que estiveram presentes, a participação de moradores,em qualquer região da cidade, costuma ser baixa.

Marcus Faustini

Marcus Faustini, e o índice Gini, ao fundo: lupa nas causas

A despeito disso, Alexandre Damascena, artista e professor – e líder local – apontou que a escolha de Santa Cruz para a inauguração colocou o bairro como um ponto de partida, ao invés de um ponto final. Alair Rebecchi, um ativista da igreja católica, reclamou de problemas com transporte e demonstrou esperança de que a Casa vá além de questões superficiais. Segundo Pablo Ramoz, o imponente e belíssimo recém reformado Matadouro Imperial, onde a inauguração aconteceu, é subutilizado. Sugeriu que o espaço fosse usado por artistas, em diálogo com a indústria local – assinalando ainda que Santa Cruz tem altos índices de pobreza, apesar de abrigar indústrias que geram alta renda.

Marcus Faustini, nascido e criado em Santa Cruz, fundador do programa para jovens Agência Redes para a Juventude, encorajou seus colegas fundadores da Casa a enxergar além dos sintomas da desigualdade, para mapear não somente os efeitos, mas as causas também. “Temos que ser ousados, tomar partido,” ele disse, acrescentando que o modelo atual, no qual as pessoas na base da pirâmide socioeconômica moram mais distante de seus empregos que as pessoas no topo da pirâmide – e precisam gastar muito com transporte –, contribui para a concentração de renda.

Miguel Lago

Miguel Lago, fundador do Meu Rio

“Temos que ir de bairro em bairro, porta a porta,” disse, fazendo referência às dificuldades de mobilização. “A Casa precisa criar uma metodologia para escutar as pessoas, precisa ser uma força política, e não apenas produzir pesquisa e livros.”

Miguel Lago, um dos fundadores do grupo de ativismo digital Meu Rio,  disse que o desejo dele para o Rio em 2017  seria “não apenas redistribuir a maneira de falar das coisas, mas redistribuir o poder”.

Aberta a todos (esta blogueira que vos fala é uma orgulhosa e ativa sócia fundadora), a Casa Fluminense é um empreendimento de longo prazo, criada para propor políticas públicas de redução da desigualdade e aprofundamento da democracia, no Rio como um todo. A Casa fará monitoramento dos gastos públicos; mapeamento colaborativo das necessidades e dos programas socioeconômicos; e oferecerá cursos em liderança e governo.

Em 2009, quando o Rio foi escolhido para sediar as Olimpíadas, esse e outros mega eventos pareciam distantes – e quase inimagináveis. Como faria esta cidade decadente, com mentalidade de vilarejo, para se transformar?

À medida que o tempo passa, apesar das mudanças na cidade, ainda vivenciamos muita violência, em tantas formas, em grande e pequena escala. Os cariocas olham à sua volta,  se deparam com os desafios e os problemas que persistem  – e resmungam a frase feita, “Imagine na Copa”.

Pablo Ramoz: vamos usar esse espaço!

Pablo Ramoz: vamos usar esse espaço!

O fato de que um grupo de ativistas, oriundos de Comunidades CatalisadorasRedes da Maré, Agência Redes para Juventude, IETS, Meu Rio, O InstitutoISERFundação Getúlio Vargas  e  Brazil Foundation/Fundo Carioca (com vários outros grupos representados, e o número de sócios em pleno crescimento), tenha se encontrado em Santa Cruz, para começar a pensar o Rio pós-olímpico, é um sinal de que alguns cariocas importantes — de imaginação — estão trabalhando firme,  e podem se tornar uma força nada desprezível.

Tradução de Rane Souza

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to Uma nova aliança para mudar o Rio: Casa Fluminense

  1. Pingback: Uma nova aliança para mudar o Rio: Casa Fluminense | BF Clipping

  2. Sergio Maurício says:

    Parabéns pela iniciativa! É sempre muito importante termos veículos como este blog para entendermos melhor a realidade e seus contrastes no Estado do RJ!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s