Jazz na Laje: encontro inesquecível

Uma multidão

Ouvintes e músicos na mesma onda

Era uma laje no morro do Cantagalo, varrida por uma brisa marítima. Porém, no meio de músicos de uma gama de idades, moradores e visitantes, conversando musicalmente entre si e com o público, criou-se no último dia 28 de março a sensação marcante de estar num esfumaçado clube subterrâneo no Harlem, anos 1930 ou 1940,  de volta às origens do jazz.

SONY DSC

Chorando de emoção, a criança tocava um solo

Praticamente não houve ensaio, confessou Leonardo Januario, 22 anos, fundador da escola de música Bela Arte Jazz, que produziu o evento. Em compensação, aconteceu um emocionante encontro de músicos, na maioria de instrumentais de metal, apoiados pelo contrabaixista David Nascimento, o baterista Mattheus Cruz e o pianista Jonathan Moreira. O guitarrista Rodrigo Medina acompanhou os alunos, também.

Maestro, aos 22 anos

Maestro, aos 22 anos

Para ajeitar as participações, Leonardo saltitava pela laje, contornando o trombone do convidado Paulo Nogueira, que tocava junto com o trompetista Darcy Cruz, ambos veteranos. Na hora de tocar, ele mesmo, Leonardo tirava por um instante a mão das teclas para fazer sinais aos colegas, facilitando os diálogos. Quando a jovem cantora Mariana Lisandro se apresentou — corajosa, sem amplificação, porque o microfone havia acabado de falhar –, do meio do público uma outra cantora, a experiente Thais Fraga, iniciou uma “conversa” com ela, através do canto scat.

SONY DSC

Ao rastrear o som que ouvia pela favela, o jovem trompetista francês Antoine Jacquet encontrou a escola Bela Arte Jazz, onde hoje dá aula

Alunos animadíssimos

Alunos pediram para tocar mais um tema, e ganharam muitos aplausos

Como solista, sobretudo na flauta, Leonardo passava profundidade e ousadia. Bem quando parecia que a música ia cessar, ele a levava a algum lugar inesperado, certeiro.

SONY DSC

Lá embaixo, samba e policiais da UPP: sem ideia da energia na laje do tio do Leonardo

Era impossível ficar imóvel e difícil lembrar de alguma experiência semelhante de ouvir jazz no Rio de Janeiro — ou em qualquer parte. Será que aquela energia do improviso que permeia a vida na favela fazia uma contribuição especial?

Thais Fraga improvisou também

Thais Fraga improvisou também

Músicos e vizinhos

Músicos e vizinhos

O morro do Cantagalo entrou no programa de pacificação em dezembro de 2009. Nos últimos meses, houve confrontos esporádicos entre polícia e traficantes, supostamente devido à saída da prisão de um traficante. As dificuldades da pacificação dos morros Pavão-Pavãozinho/Cantagalo se somam aos problemas que surgiram desde o ano passado, na favela da Rocinha e no Complexo do Alemão. Amanhã, o estado do Rio de Janeiro, com a ajuda das forças armadas do governo federal, parte para o desafio da ocupação do Complexo da Maré, considerada indispensável pelo governo para a realização da Copa do Mundo, que começa em junho. A pacificação é uma questão chave da eleição para governador em outubro.

O acesso ao evento Jazz na Laje foi facilitado por jovens voluntários, que a partir da estrada principal da favela indicaram o caminho — com direito a muitas escadas — aos visitantes.

ff

Muito foco

Há dois anos, Leonardo — que começou a estudar saxofone aos 17 anos — fundou a escola Bela Arte Jazz sob o guarda-chuva da pioneira Agência de Redes para a Juventude, uma espécie de incubadora de startups para jovens de favela, com recursos da Petrobras. Hoje, a escola funciona sem apoio institucional, atendendo a uma dúzia de alunos. Recentemente, Leonardo instalou um teto na laje.

Canto sem microfone

Canto sem microfone

Flautista, saxofonista, aglomerador, maestro, arranjador, animador, professor, empreendedor. O talento do Leonardo — e o encontro de tantos outros músicos e ouvintes — iluminou a noite. No próximo evento, é capaz de a laje do tio dele, no morro do Cantagalo, ficar pequeno.

Se você quiser ajudar com este projeto, pode fazer um depósito no Banco Itaú, agência 8586, conta 20871-5.

SONY DSC

Vista da laje

 

 

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s