O “underground” de Ipanema

SONY DSC

Concretando

Nessa fase eleitoral, às vezes a vontade mesmo é de dar uma de avestruz.

Assim que, ao receber um convite para visitar a obra do Metrô na praça Nossa Senhora da Paz, essa blogueira não hesitou: desceu, de bota, capacete e máscara.

Selfie

Fugindo da superfície

Já houve muita controvérsia sobre a Linha 4, a extensão da linha que hoje termina na praça General Osório. Moradores e comerciantes da rua Barão da Torre reclamam de crateras, tremores, rachaduras, cortes de TV a cabo, gás, água e luz, poeira e barulho.

Questões como o traçado da linha, a localização das estações e o destino das lindas árvores da praça foram levantadas antes do começo das obras. Até hoje há dúvidas sobre a lotação dos trens: será que a concessionária conseguirá atender à demanda? Passageiros da nova BRT Transoeste sofrem com superlotação.  No metrô de São Paulo, o problema existe há tempo.

do lado de fora

Do lado de fora, mistério

Ficou claro que o governo estadual já sabia o que queria fazer.

No início de 2012, fechou-se a praça Nossa Senhora da Paz, área verde que ocupava um lugar especial nos corações de moradores. Pouco mais de dois anos depois, uma grande porção da praça foi reaberta.

Crianças, pais, babás, idosos, cachorros retornam

Crianças, pais, babás, idosos, cachorros: já de volta à praça

Os trabalhos seguem, os trens chegam da China e, pelo jeito, a conexão Zona Sul-Barra, com trens superlotados ou não, será feita de maneira impressionantemente rápida — em quinze minutos, dizem (e de Barra até o Centro, em 34 minutos)– a partir do primeiro semestre de 2016. Ou seja, antes das Olimpíadas.

De acordo com a concessionária, a Linha 4 irá tirar cerca de 2 mil carros das ruas da cidade em horário de rush.

ggg

O “Tatuzão” chegará nesta ponta do túnel, onde se finaliza a concretagem

O Metrô é uma concessão estadual ao consórcio Invepar, formado pela construtora OAS e pelos fundos de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (Previ), da Caixa Econômica Federal (Funcef) e da Petrobras (Petros). O Invepar também administra a Linha Amarela, a Ligação Transolímpica (via expressa que ligará a Barra da Tijuca ao Deodoro) e a nova linha de bondes (VLT) que irá ligar a zona portuária ao centro da cidade.

gg

Trabalho 24 horas por dia

A Linha 4 está sendo construída entre a Barra e a Gávea pelo consórcio Rio Barra S.A., do qual fazem parte a Queiroz Galvão Participações – Concessões S.A., a Odebrecht Participações e Investimentos S.A. e a Zi Participações S.A.

Na  Zona Sul, o consórcio construtor é o Linha 4 Sul (L4S), composto pelas mesmas empresas.

gggg

Escultural

O site independente de jornalismo Pública já fez reportagens sobre o domínio das empresas de construção no Rio de Janeiro e no Brasil como um todo. As informações são complexas, de difícil compreensão. O fato é que nesse setor (e outros) o país conta com poucas empresas — e pouca concorrência. Aparentemente, isso leva a questões controversas no tocante a contratos, o destino de recursos públicos e doações a partidos políticos.

Como mudar isso (Nos EUA, há um caso interessante)?

Sobre a situação no Brasil, no setor de construção, veja essa reportagem e essa.

dddd

Falta bastante, mas o básico já foi

A descida para a obra de Ipanema trouxe evidências de que teremos um Metrô maior e melhor, em 2016. Quem sabe, a Barra ficará mais integrada à Zona Sul, e vice versa.

SONY DSC

O túnel, sentido Barra

No fim, foi bom voltar à superfície, tirar a máscara, capacete e botas e colocar de lado a vontade de dar uma de avestruz. Nesse momento eleitoral — e depois — também é bom prestar bastante atenção à transformação do Rio de Janeiro metropolitano.

SONY DSC

Artefatos arqueológicos? No Leblon, acharam muita coisa interessante: https://www.youtube.com/watch?v=5RE9dvJVFc0

SONY DSC

Vista triste, para quem frequentava a praça antes das obras. Como ficará, em 2016?

Para maiores informações sobre a obra, veja esse link e esse.

 

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s