“Ou a gente transforma a polícia ou fecha tudo, tranca e joga a chave na baía de Guanabara.”

Tirando a armadura?

Tirando a armadura?

Assim falou o recém nomeado comandante interino da Polícia Militar, o coronel Íbis Silva Pereira, em uma entrevista com o jornal O Globo, ontem.

Depois de anos de investimento em reformas que, para muitos, deixaram a desejar, trata-se de um grande desabafo e uma grande aposta, ambos focados no âmago da transformação da cidade. Sem segurança pública, nada no Rio vale a pena — para ninguém.

As polícias brasileiras, compartmentalizadas por tarefa e parcialmente militarizadas, têm dificuldade em trabalhar em conjunto para solucionar crimes e reduzir as estatísticas. Também têm pouca experiência com a responsabilidade individual e a tomada de decisões.

Um relatório divulgado nesses dias pelo Forum Brasileiro de Segurança Pública alertou que o custo da violência chega a quase seis porcento do PIB — e que, em todo o país, A polícia brasileira matou mais gente em cinco anos do que fez a polícia norte americana em trinta.

É difícil saber porque o jornal não tenha dado mais destaque à declaração do coronel, que fica no cargo até janeiro, quando deve se tornar chefe de gabinete do também coronel Alberto  Pinheiro Neto, que então assumirá o cargo de comandante.

Especialistas da área de segurança pública vêem a nomeação de Silva Pereira como uma surpresa agradável. Ele mesmo, comentam alguns, cogitava deixar a corporação em breve, pois representa a linha reformista que preza os direitos humanos e o policiamento comunitário, linha que estaria em conflito com uma filosofia bem arraigada de guerra contra o crime, num contexto de níveis preocupantes de corrupção policial.

A linha do novo comandante tem base numa tentativa anterior de reforma, nos anos 1980, durante o comando do coronel Carlos Magno Nazareth Cerqueira, quando Leonel Brizola era governador do estado. Cerqueira foi assassinado em 1999 no saguão de um prédio perto do aeroporto Santos Dumont — supostamente por um policial militar.

Silva Pereira disse ao Globo que pretende mudar o estatuto da PM, que data de 1981, “para aproximar ou, até mesmo, igualar a rapidez para punições e expulsões entre oficiais e praças, em caso de transgressões. A proposta é que o ritual de exclusão seja único, com os mesmos prazos e recursos”.

Ele já nomeou o coronel Wolney Dias para o posto de corregedor da PM, com o objetivo de de “aproximar a Corregedoria da PM de outros órgãos — como a Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança, a Corregedoria Geral Unificada (CGU) — e de entidades da sociedade civil”.

Parece uma ideia sensata.

Disse Silva Pereira que Dias também irá fiscalizar o trabalho de policiais e o cumprimento dos direitos deles, como férias e folgas.

O comandante interino propõe a criação de um programa de prevenção do uso de drogas em favelas com UPPs e o patrulhamento de ruas nas áreas formais da cidade em pareceria com a Guarda Municipal.

Resta saber se tanta praticidade encontra acolhimento nas batalhões da Polícia Militar.

 

 

 

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s