Carnaval 2015: a cidade pertence a quem?

cccc

Futuros políticos?

Será um quaresma e tanto, no Rio e em todo o país

A pergunta faz parte da vida em qualquer cidade turística: a quem pertence nossa metrópóle? Cada cidade vai trabalhando a equação visitante/morador, todo dia, toda hora. Não seria diferente aqui na Cidade Maravilhosa, onde o Carnaval de rua e o turismo crescem com cada ano que passa.

A resposta governamental também cresce, com um número sempre maior de banheiros portáteis e fiscais de todo tipo. O Rio estava programado para ter um policiamento de quase 50 mil homens e mulheres, praticamente o efetivo total da polícia militar.

Não sabemos ainda o número total de turistas carnavalescos, mas esperava-se um milhão, mais 9% do que em 2014. No porto, mais navios transatlânticos do que nunca, e a esperança de que os marmanjos de fora gastassem uns R$ 20 milhões, total. Os 456 blocos quer iriam para as ruas aguardavam um total de cinco milhões de foliões.

10983486_10152798503440787_2825178430168463446_o

O supermercado Zona Sul vende para ambulantes de todo tipo…

10835091_10152795977860787_1313492350008361671_o

… muitos dos quais não dormem em casa durante os festejos

Apesar de promessas, por parte dos governantes, de maior fiscalização e atenções redobradas, parece que esse Carnaval — de rua– foi um dos mais difíceis. Recebemos turistas e renda a mais, sim, mas ganhamos o caos também. Uma associação de moradores pretende fazer um balanço do Carnaval em Ipanema ao Ministério Público, mês que vem.

Há relatos de arrastões e assaltos, generalizados durante os blocos, de caos na saída da rodoviária, de acampamentos de vendedores ambulantes nas praias da Zona Sul, lixo, fedor, acidentes horríveis e o esfaqueamento mortal de um turista alemão na rua Uruguaiana, centro da cidade.

Enquanto a prefeitura requereu que a Ambev, patrocinadora do Carnaval de rua, credenciasse os ambulantes para vender a cerveja dela, coexiste a clássica informalidade brasileira. Uma filial do supermercado Zona Sul vendia exclusivamente para os credenciados; outro, bem maior, vendia, e muito, para qualquer um.

ggg

Mistura saudável: a Zona Sul também é da Zona Oeste, de onde vem o costume de se fantasiar de Clóvis, ou “bate-bola”, no Carnaval

De maneira geral, o patrocínio em si está minguando, talvez como reflexo da situação econômica do país e da região metropolitana do Rio, muito dependente no setor de petróleo em gás, que passa pela pior crise de sua existência.

Possivelmente, a dureza econômica acabe por colocar os pés dos foliões mais firmemente no chão, levando a um Carnaval mais democrático e autêntico. Pela primeira vez, neste ano, era possível comprar ingressos para um camarote, antes restrito a convidados de empresas e governos. Por outro lado, lamentam tradicionalistas, havia camarote tocando música funk, entre desfiles.

SONY DSC

Uma solução aos preços abusivos

Carnaval é bom para esquecer de crises, mas é também uma ocasião para brincar com tristes realidades. Neste vídeo, uma escola de samba fictícia canta algumas verdades. É bem no espírito momesco que tenha sido produzido pela rede Globo, a mídia que mas enaltece e lucra com o Carnaval.

SONY DSC

Alegria pura ainda existe

Muitos cariocas que ficaram na cidade durante o Carnaval perguntam se não está na hora, já que parece impossível administrar adequadamente os festejos, de diminuir ou centralizar as atividades de rua. Diante dos investimentos da Ambev e da Dream Factory, (empresa de organização de eventos qu pertence ao criador do Rock in Rio, Roberto Medina) porém, não será fácil mudar a trajetória da festa, de crescente participação, com tudo de bom e ruim que isso nos traz.

SONY DSC

E agora, o que vem por aí?

Sua blogueira confessa um certo estado rabugento, no tocante a Carnaval, neste ano. Foi impossível se esquecer da estiagem que afeta o sudeste do país, com políticos se ausentando do mais do que necessário papel de liderança e visão. Como brincar, quando logo pode acabar a água — com efeitos drásticos no quadro energético do país?

[Atualização: Para combinar com o momento, na quarta-feira de cinzas os jurados selecionaram a Beija-Flor como escola vencedora do desfile no Sambódromo: supostamente, a escola recebeu fundos do ditador do Guiné Equatorial, por meio de construtoras brasileiras que fazem obras naquele país — algumas das mesmas citadas no escándalo Lava-Jato, atualmente sob investigação.]

Uma escola de samba entendeu a seriedade da situação. Mocidade Independente de Padre Miguel fez um desfile sobre o fim do mundo. Mas não se preocupe, caro leitor: o foco do enredo, bem no estilo brasileiro de aproveitar a vida, foi o que cada um de nós faria se tivéssemos apenas mais um dia na terra.

Advertisements

About Rio real

American journalist, writer, editor who's lived in Rio de Janeiro for 20 years.
This entry was posted in Brasil, Transformation of Rio de Janeiro / Transformação do Rio de Janeiro and tagged , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s